Cibercomunismo: como os americanos estão superando o capitalismo no ciberespaço

Richard Barbrook


"... o impacto da... revolução da informação no capitalismo não seria o exemplo final da... tese de Marx em que: 'em um certo estágio de seu desenvolvimento, as forças materiais produtivas entram em conflito com as relações de produção existentes...'?... o prospecto da... 'aldeia global' não indica o final das relações de mercado... ao menos na esfera da informação digitalizada?" (Zizek 1998, p. 33-4)



Fantasmas na Máquina

Um espectro ronda a Internet: o espectro do comunismo. Refletindo a extravagância da nova mídia, este espectro assume duas formas distintas: a apropriação teórica do comunismo Stalinista e a prática diária do cibercomunismo. Quaisquer que sejam suas crenças políticas adotadas, todos os usuários da Internet participam com entusiasmo desse renascimento da esquerda. Seja na teoria ou na prática, cada um deles deseja a transcendência digital do capitalismo. Apesar disso, ao mesmo tempo, nem o esquerdista mais dedicado pode ainda acreditar verdadeiramente no comunismo. Após a queda do Muro de Berlim e da implosão da União Soviética, essa ideologia está totalmente desacreditada. As promessas de emancipação social transformaram-se nos horrores do totalitarismo. Os sonhos de modernidade industrial culminaram em estagnação econômica. Longe de representar o futuro, o comunismo parece uma relíquia do passado.

Acima de tudo, a União Soviética foi incapaz de comandar a revolução da informação. As estruturas política e econômica do comunismo Stalinista eram inflexíveis e reservadas demais para o surgimento do novo paradigma tecnológico. Como os regimes totalitários poderiam permitir que todos produzissem mídia sem a sua supervisão? Como a agência central de planejamento poderia permitir que produtores formassem redes colaborativas sem a sua autorização? Uma sociedade muito mais aberta e espontânea era necessária para desenvolver a Internet. Estimulados pelo potencial libertário da convergência digital que estava por vir, os proponentes de quase todas as ideologias radicais recentemente reformularam suas posições. Ainda assim, entre ciberfeministas, guerrilheiros da comunicação, tecnonômades e anarquistas digitais, não há nova versão da corrente do comunismo Stalinista outrora dominante. Mesmo os seus antigos seguidores admitem que a União Soviética exemplifica as piores falhas do Fordismo: o autoritarismo, o conformismo e a degradação ambiental (Hall e Jacques, 1989).

Os ideólogos do neoliberalismo americano aproveitam essa oportunidade de reivindicar o futuro. Por quase trinta anos, eles previram que as novas tecnologias estavam prestes a criar uma civilização utópica: a sociedade da informação. Por exemplo, os Tofflers há muito se convenceram que a convergência da computação, telecomunicações e mídia libertaria os indivíduos do controle tanto das grandes empresas quanto do governo (Toffler, 1980). Da mesma forma, Ithiel de Sola Pool profetizou que a televisão interativa permitiria a todos construírem a sua própria mídia e participarem no processo de decisão política (de Sola Pool, 1983). Apesar de sua retórica radical, esses estudiosos conservadores estavam antes de tudo interessados em provar que as tecnologias da informação forçariam a privatização e a desregulamentação de toda a atividade econômica. Seu futuro pós-Fordista era o retorno ao passado liberal. Quando a Internet tornou-se popular, esse fundamentalismo do mercado livre foi rapidamente adaptado para encaixar-se na nova situação. Reconhecidamente, a Wired argumenta que o "Novo Paradigma" da competição desregulamentada entre os ciberempreendedores está estendendo a liberdade individual e encorajando as inovações tecnológicas nos EUA (Barbrook e Cameron, 1996). Na medida que a Internet se expande pelo mundo, os valores materiais e espirituais do neoliberalismo americano vão finalmente se impor sobre a toda a humanidade. Como Louis Rosseto, o editor fundador da Wired, explica:

"Este novo mundo [da Internet] é caracterizado por uma nova economia global que é inerentemente anti-hierárquica e descentralizada, e que desrespeita as fronteiras nacionais ou o controle de políticos e burocratas... e através de uma consciência global, interligada... está levando... políticos eleitorais falidos... ao fim" (Houdson, 1996, p. 30)



O culto dos digerati (1)

O narcisismo da ideologia californiana reflete a autoconfiança de uma nação triunfante. Com a Guerra Fria ganha, os EUA não têm mais nenhum concorrente militar ou ideológico sério. Até mesmo seus rivais econômicos na Comunidade Européia e no Leste Asiático foram ultrapassados. Segundo a maioria dos analistas, o renascimento da hegemonia americana está baseado em sua liderança das tecnologias de informação. Nenhum país pode competir com as "armas inteligentes" do exército dos EUA. Poucas companhias podem competir contra as "máquinas inteligentes" utilizadas pelas corporações americanas.

Acima de tudo, os EUA dominam a inovação tecnológica de ponta: a Internet. Realizando o sonho americano, alguns poucos felizardos estão fazendo grandes fortunas lançando as suas companhias hi-tech em Wall Street (Greenwald, 1998). Hipnotizados pelo potencial comercial do e-commerce, muitos outros estão especulando as suas economias em novas ações de mídia.

"Ações de Internet... podem ser o negócio mais quente desde a corrida pelas tulipas holandesas em 1600" (Kadlec, 1999, p. 1) (2)

Apesar de toda riqueza gerada pelas inovações tecnológicas, a divisão entre ricos e pobres continua a aumentar nos EUA (Elliot, 1999). Em contraste com as formas de capitalismo européia e leste asiática, o neoliberalismo americano pode combinar de forma bem sucedida o progresso econômico com a imobilidade social. Desde a Revolução Francesa de 1789, os conservadores procuraram por esta união de opostos: o modernismo reacionário (Herf, 1984). Apesar de necessárias para a sobrevivência do capitalismo, as implicações sociais do crescimento econômico sempre assustaram a Direita. Com o passar do tempo, a industrialização contínua lentamente corrói os privilégios de classes. Na medida que sua renda aumenta, as pessoas comuns podem, cada vez mais, determinar as preocupações políticas e atitudes culturais da sociedade. Como resultado, sucessivas gerações de conservadores encararam o dilema de reconciliar a expansão econômica com a estagnação social. Apesar de diferenças ideológicas profundas, eles sempre propuseram a mesma solução: a formação da aristocracia hi-tech (Nietzsche, 1961; Ortega y Gasset, 1932).

As versões mais recentes dessa fantasia reacionária enfatizam a divisão hierárquica do trabalho sob o Fordismo. Apesar de muitas habilidades terem sido destruídas pelo sistema industrial, novas especialidades foram simultaneamente criadas. No Fordismo, engenheiros, burocratas, professores e outros profissionais formavam uma camada intermediária entre a gerência e o trabalhador (Elger, 1979). Diferente da maioria dos empregados, essa parcela da classe trabalhadora recebia salários altos e escapava da subordinação da linha de montagem. Temerosos de perder seus limitados privilégios, alguns profissionais tornaram-se defensores entusiásticos do modernismo reacionário. Ao invés de lutarem por igualdade social, eles sonhavam em fundar uma nova aristocracia: a tecnocracia.

"A razão, a ciência e a tecnologia não são processos inertes pelos quais homens [e mulheres] descobrem, comunicam e divulgam fatos desinteressadamente e sem paixão, mas meios pelos quais, através de sistemas, alguns homens [e mulheres] organizam e controlam as vidas de outros homens [e mulheres] de acordo com a sua concepção do que é preferível." (Israel, 1972: 2 - 3)

Durante os anos de expansão do Fordismo, as novas classes dominantes estavam supostamente sendo formadas por gerentes e outros profissionais de grandes corporações e de departamentos do governo (Burnham, 1945). No entanto, quando a economia entrou em crise no início dos anos 70, os intelectuais de direita foram forçados a procurar por defensores entre as outras parcelas da camada intermediária. Inspirados por Marshall McLuhan, eles logo descobriram o crescente número de pessoas desenvolvendo novas tecnologias de informação (McLuhan, 1964). Por quase três décadas, os gurus conservadores previam que a nova classe dominante seria formada por capitalistas especuladores, cientistas inovadores, hackers geniais, astros da mídia e ideólogos neoliberais: os digerati. (Bell, 1973; Toffler, 1980; Kelly, 1994) Buscando popularizar as suas profecias, eles sempre anunciavam que todo profissional hi-tech tinha a oportunidade de tornar-se membro dessa nova aristocracia.

Dentro de indústrias convergentes, trabalhadores qualificados são essenciais para o desenvolvimento de produtos originais, tais como softwares e projetos de websites. Em comum com muitos de seus pares, os artesãos digitais sofrem com a insegurança do contrato de emprego. No entanto, eles também são mais bem-pagos e têm maior autonomia sobre seu trabalho. Como no passado, essa posição social ambígua pode encorajar os ingênuos em direção ao modernismo reacionário. Perseguindo o sonho americano, muitos trabalhadores hi-tech esperam fazer milhões montando suas próprias empresas. Ao invés de identificarem-se com os seus colegas empregados, eles aspiram juntar-se aos digerati, a nova tecnocracia da Internet.

Diferente das primeiras formas de conservadorismo, esse desejo de dominação sobre os outros não é mais expresso abertamente na ideologia californiana. Ao contrário, os seus gurus afirmam que as regras dos digerati vão beneficiar todo mundo, visto que estes são os inventores de máquinas sofisticadas e os aperfeiçoadores dos métodos de produção. Eles estão sendo os pioneiros em serviços hi-tech que serão, ao fim, aproveitados finalmente por toda a população. Com o tempo, os digerati vão transformar as restrições do Fordismo nas liberdades da sociedade de informação. Os compromissos da democracia representativa vão ser substituídos pela participação pessoal dentro da "prefeitura eletrônica". Os limites da criatividade pessoal na mídia existente serão superados pelas formas interativas de expressão estética. Até os limites físicos do corpo serão transcendidos dentro do ciberespaço. Na ideologia californiana, a autocracia de poucos a curto prazo é necessária para a libertação de muitos a longo prazo (Toffler, 1980; Kelly, 1994; Hudson, 1996; Dyson, 1997).

"Não ricos e pobres, mas ricos agora e ricos depois." (Rosseto, 1996)



A minoria libertadora

O que é esperado agora dos digerati na nova era da Internet foi uma vez previsto para outras elites heróicas nas épocas do aço e da eletricidade. Desde o final do século XIX, escritores de ficção-científica fantasiavam sobre um pequeno grupo de cientistas e filósofos que inventaria as soluções tecnológicas para os problemas da sociedade (Bellamy, 1982; Wells, 1913). Entre os ativistas políticos, esta crença no papel de liderança das minorias esclarecidas tem um pedigree ainda mais antigo. No auge da Revolução Francesa por volta de 1790, os Jacobinos decidiram que a república democrática apenas poderia ser criada por uma ditadura revolucionária. Apesar de o seu regime estar lutando pela liberdade política e cultural, parcelas substanciais da população resistiram violentamente à modernização da sociedade francesa. Segundo os Jacobinos, as mentes destes tradicionalistas haviam sido corrompidas pela aristocracia e pelo clero. A ditadura revolucionária era necessária não apenas para oprimir as rebeliões armadas, mas também para popularizar os princípios da democracia republicana. Apenas quando todos cidadãos tivessem sido educados, eles poderiam participar no processo de decisão política. A tirania da minoria a curto prazo levaria à democracia da maioria a longo prazo (Brinton, 1961; Barbrook, 1995, p. 19-37).

Apesar de os Jacobinos terem mantido o poder por poucos anos, o seu exemplo inspirou movimentos revolucionários por gerações. Em muitos países, grupos radicais encararam o mesmo problema de transformar comunidades tradicionais em sociedades industriais. Quaisquer que fossem as suas diferenças ideológicas, toda minoria revolucionária tinha a mesma missão: liderar as massas em direção à modernidade. Na metade do século XIX, a Esquerda Européia havia percebido que essa meta de emancipação política e cultural só poderia ser alcançada através do progresso econômico. Henri de Saint-Simon havia explicado que o poder da aristocracia e do clero foi fundado sobre a agricultura. Se a economia fosse modernizada, a riqueza e o poder seriam inevitavelmente transferidos para os membros das novas profissões industriais: empreendedores, trabalhadores, políticos, artistas e cientistas. Como os Jacobinos, Saint-Simon sustentou que essa nova elite não deveria apenas cuidar de seus próprios interesses. Para estes modernizadores, também existia a tarefa histórica de libertar os seus companheiros cidadãos menos afortunados da pobreza e da ignorância. Gerando a abundância econômica, a minoria iluminada permitiria a todos desfrutar de vidas produtivas e felizes.

"A política deveria ser agora nada mais do que a ciência de proporcionar às pessoas tantos bens materiais e tanta satisfação moral quanto fosse possível." (Saint-Simon e Halévy, 1975, p. 280.

Inspirados por Saint-Simon, os primeiros socialistas acreditavam que o crescimento econômico levaria inevitavelmente à emancipação cultural e política. Sob o capitalismo, precisavam existir melhorias contínuas nos métodos e nas máquinas utilizados para produzir bens e serviços: as forças de produção. Com o tempo, essas melhorias minariam as propriedades privadas de negócios: as relações de produção. Segundo esta versão de Saint-Simon, a interdependência crescente da economia moderna iria finalmente forçar a adoção de formas mais coletivas de organização social. Quaisquer que fossem as suas dificuldades correntes, os partidos parlamentares da Esquerda Européia estavam confiantes na vitória final. Mais cedo ou mais tarde, o desenvolvimento das forças de produção democratizaria as relações de produção (Marx, 1970, p. 20-21; Engels, 1975, p. 74-101).

Em meados do século XX, este remix marxista de Saint-Simon também havia sido apropriado pelos apologistas do totalitarismo. Mesmo antes de tomar o poder, Lênin havia afirmado que os intelectuais revolucionários deveriam formar um protótipo da ditadura jacobina: o partido da vanguarda (Lênin, 1975). Sob a velha ordem, as mentes da maioria das pessoas foram preenchidas com ideologias incorretas de jornais de direita, igrejas e outras instituições culturais. A minoria esclarecida tinha o dever histórico de liderar essas massas ignorantes em direção ao futuro utópico. Após a Revolução Russa de 1917, Lênin e seus seguidores estavam aptos a criar uma ditadura modernizadora. Como o seu predecessor na França de 1790, este novo regime estava comprometido com a luta contra as forças reacionárias e com a educação de toda a população (Lênin, 1975a). Além destas, a ditadura revolucionária havia adquirido uma tarefa ainda mais importante: a industrialização da economia russa. Apropriando-se da análise de Saint-Simon e de seus intérpretes marxistas, Lênin afirmou que a modernização econômica iria finalmente levar às liberações política e cultural. Pela imposição de regras autoritárias a curto prazo, os revolucionários russos esperavam construir a democracia participativa a longo prazo (Lênin, 1932; Burkharin, 1971).

Esta determinação de modernizar a economia logo levou à remoção de todas as liberdades políticas e culturais. A promessa de emancipação final justificou o assassinato e a prisão de milhões de pessoas. A criatividade dos artistas foi reduzida à criação de propaganda para o partido totalitarista. A ditadura modernizadora perdeu até mesmo o interesse na melhoria da condição de vida das massas (Ciliga, 1979, p. 261-291). Ao invés disso, a liderança soviética tornou-se obcecada pela introdução de novas tecnologias: a prova mecânica do crescimento das forças produtivas. No início dos anos 30, Josef Stalin - o sucessor de Lênin - estava medindo o progresso em direção ao futuro utópico pelo aumento da produção de bens industriais: aço, carros, tratores e ferramentas (Stalin, 1954; Burharin, 1971). O desenvolvimento econômico havia se tornado um fim em si.

"Os resultados do Plano Qüinqüenal de industrialização mostraram que o sistema capitalista... tornou-se obsoleto e deve dar espaço a outro sistema, socialista, soviético, superior..." (Stalin, 1954, p. 541-542)

No século XIX, não havia uma clara definição de comunismo. Enquanto Mikhail Bakunin havia encontrado seus antecedentes entre as comunidades camponesas, Karl Marx acreditava que o novo sistema já havia sido mostrado pelas cooperativas industriais (Bakunin, 1973, p. 182-194; Marx, 1959, p. 435-441). No entanto, depois da vitória da União Soviética sobre a Alemanha nazista em 1945, não poderia mais haver dúvida alguma sobre a interpretação correta do comunismo. Pelo mundo afora, quase todo movimento revolucionário adotou alguma variação da doutrina stalinista. Os intelectuais radicais deveriam formar um partido de vanguarda para depor a ordem existente. Uma vez no poder, esta minoria revolucionária deveria estabelecer a ditadura modernizadora. O estado totalitário organizaria o rápido desenvolvimento da economia, assim como proporcionaria segurança e educação (Djilas, 1966). Quase todos os radicais acreditavam que essa versão stalinista do comunismo havia sido comprovada tanto nas fábricas quanto nos campos de batalha. Quando a Guerra Fria começou, qualquer outra interpretação foi marginalizada. Por aproximadamente 50 anos, a rivalidade imperial entre duas superpotências foi expressa como um feroz conflito ideológico: o comunismo russo versus o capitalismo americano.



Stalin no Vale do Silício

Durante a Guerra Fria, cada lado sustentava que a sua estrutura sócio-econômica particular representava o futuro da humanidade. Apesar de defenderem sistemas rivais, os apologistas das duas superpotências ainda dividiam uma fonte teórica comum e não-reconhecida: Saint-Simon. Desde a Revolução de 1917, o estado russo utilizou suas profecias futuristas para justificar seus atos. Aprendendo de seu adversário da Guerra Fria, o governo americano começou a fazer sustentações similares para as suas políticas. Apesar de promoverem o capitalismo liberal, os propagandistas americanos entusiasticamente imitaram a retórica teórica do comunismo stalinista. O poder da minoria de capitalistas era, a longo prazo, o interesse da maioria da população. Qualquer falha na sociedade americana seria logo resolvida pelo futuro crescimento econômico. Acima de tudo, o potencial utópico dos EUA era provado pela introdução contínua de novas tecnologias: o símbolo do aumento das forças produtivas (Rostow, 1971). Paralelamente com as suas disputas militar e política sobre as "esferas de influência", as duas superpotências também competiam sobre quem representava o futuro.

O colapso da União Soviética não acabou com a influência teórica do comunismo stalinista sobre os intelectuais de direita americanos. Ao contrário, a missão global dos EUA havia sido confirmada pela sua vitória sobre o seu rival totalitário. Segundo um apologista, o neoliberalismo americano é agora a realização do "fim da história" Hegeliano. Apesar de as guerras e os conflitos continuarem, não há mais uma forma alternativa de sistema sócio-econômico (Fukuyama, 1992). Para os proponentes da ideologia californiana, a suposição narcisista está provada pelo domínio americano sobre o que há de mais avançado na modernidade econômica: a Internet. Se os outros países também quiserem entrar na era da informação, eles terão que imitar o sistema social peculiar dos EUA. Como os seus predecessores da Guerra Fria, esta celebração contemporânea do neoliberalismo americano apropria-se de muitas suposições teóricas do comunismo stalinista. Novamente, a minoria esclarecida está levando as massas ignorantes em direção a uma civilização utópica. Qualquer sofrimento causado pela introdução das novas tecnologias de informação é justificado pela promessa da libertação futura (Hudson, 1996, p. 33). Ecoando o tirano russo, os digerati até medem o progresso em direção à utopia pelo aumento da propriedade de artefatos modernos: computadores pessoais, beepers, telefones celulares e laptops (Katz, 1997, p. 71-72). Apesar de a União Soviética ter, há muito tempo, desaparecido, os proponentes da ideologia californiana ainda apropriam-se do legado teórico do comunismo stalinista:

Partido de vanguardadigerati
Plano QüinqüenalO Novo Paradigma
garoto conhece o tratornerd conhece a Internet
Terceira InternacionalTerceira Onda
MoscouVale do Silício
PravdaWired
linha partidáriapensamento único
democracia soviéticaprefeituras eletrônicas
Lysenkoism (3)memética (4)
sociedade como fábricasociedade como colméia
Novo Homem Soviéticopós-humanos (5)
Stakhanovismo (6)hora-extra
expurgosdownsizing
nacionalismo russochauvinismo californiano


A vingança de Saint-Simon

Por todo o mundo industrializado, essa apropriação conservadora do stalinismo agora domina as discussões sobre a Internet. Todos os gurus celebram o surgimento da nova tecnocracia: os digerati. Todos os estudiosos sustentam que esses pioneiros da Internet estão construindo uma nova utopia: a sociedade de informação. Apesar disso, como os seus predecessores soviéticos, os intelectuais de direita contemporâneos podem apenas produzir versões corrompidas das profecias de Saint-Simon. Enquanto este filósofo socialista desejava o progresso econômico para a libertação de todos, estes proponentes do modernismo reacionário excluem a maioria da população do seu futuro hi-tech. Os privilégios dos digerati dependem da subordinação dessa massa não esclarecida. Na ideologia californiana, a revolução tecnológica permanente está sempre identificada com a imobilidade da hierarquia social. Entretanto, sem a promessa da redenção final, a modernização econômica torna-se um fim em si. Novamente, os filósofos conservadores estão prometendo um futuro imaginário para dissuadir as pessoas de melhorarem as suas vidas presentes.

Apesar de estar sempre iminente, a chegada da sociedade da informação deve ser perpetuamente adiada. Como na antiga União Soviética, não é esperado que a profecia de Saint-Simon seja realmente concretizada nos EUA. Ao contrário, o desenvolvimento das forças de produção é projetado para reforçar as relações de produção existentes, visto que as instituições públicas e privadas apenas introduzem novas tecnologias de informação para avançar em seus próprios interesses. Nos anos 60, o exército americano financiou a invenção da Internet para lutar nas guerras nucleares. Desde os anos 70, os mercados financeiros utilizaram as redes de computadores para impor a sua hegemonia sobre todo o planeta. Durante os últimos anos, tanto as empresas capitalistas como os departamentos do governo adotaram a Internet para melhorar as comunicações com seus empregados, contratadores e clientes. Neste momento, todos os especuladores em Wall Street estão procurando pelo ciberempreendedor que está construindo a próxima Microsoft. Apesar de todas as previsões utópicas dos digerati, não parece haver nada inerentemente emancipatório na convergência da computação, telecomunicações e mídia. Como as formas anteriores de capitalismo, a sociedade de informação permanece dominada pelas hierarquias do mercado e do governo (Schiller 1995; Winston 1998, p. 321-336).

No começo do novo milênio, o neoliberalismo americano parece ter atingido satisfatoriamente os objetivos contraditórios do modernismo reacionário: progresso econômico e imobilidade social, visto que a meta de libertação a longo prazo de todos nunca será alcançada, a regra a curto prazo dos digerati pode durar para sempre. Apesar disso, como na antiga União Soviética, essa dialética de desenvolvimento e estagnação é inerentemente instável. Através da modernização das sociedades agrícolas, os partidos dominantes do comunismo stalinista lentamente destruíram as fundações do seu próprio poder. Com o passar do tempo, as relações de produção formadas pelo totalitarismo tornaram-se incompatíveis com a expansão contínua das forças de produção. Neste momento histórico, Saint-Simon finalmente teve a sua vingança sobre os seus falsos discípulos.

"A revolução comunista [stalinista]... trouxe um pouco de civilização industrial a vastas áreas da Europa e Ásia. Dessa forma, as bases materiais para uma futura sociedade livre foram, de fato, criadas. Assim, enquanto trazia o mais completo despotismo, a revolução comunista [stalinista] também criava a base para a abolição do despotismo." (Djilas 1966, p. 41-42).

Como o seu antigo oponente, o neoliberalismo americano está agora sendo minado também pelo desenvolvimento das forças de produção. Como previsto por Saint-Simon, o potencial completo de toda tecnologia e avanços sociais recentes não pode ser realizado dentro das hierarquias tradicionais do capitalismo. Segundo os proponentes da ideologia californiana, a Internet está baseada sobre a compra e venda de bens e serviços de informação. Apenas através da competição mercadológica os desejos dos indivíduos podem ser satisfeitos. Apesar disso, quando eles entram on-line, os usuários da Internet estão primariamente engajados em dar e receber informações como presentes. Muito espontaneamente, as pessoas estão adotando métodos mais democráticos de trabalhar juntas dentro do ciberespaço.

Cumprindo a profecia de Saint-Simon, estas novas relações de produção emergiram do ápice do progresso econômico: a Internet. Não é surpresa que ela esteja sendo desbravada por uma minoria privilegiada da população mundial: as pessoas com acesso às tecnologias de comunicação mediadas por computador. Como resultado, estas novas formas de trabalho estão mais difundidas dentro da nação líder do capitalismo: os EUA. As pré-condições tecnológicas e sociais para a realização da profecia de Saint-Simon são agora realidade. Enquanto ideólogos conservadores continuam fascinados pelo legado teórico do comunismo stalinista, os seus companheiros americanos estão descobrindo os benefícios práticos de uma nova versão deste conceito: o cibercomunismo.

"Culturas da dádiva são adaptações não à escassez, mas à abundância. Elas surgem em populações que não têm problemas significativos de escassez material de bens de sobrevivência." (Raymond 1998, p. 9).

A economia da dádiva da Internet emerge dos avanços tecnológicos e sociais catalisados pela modernização capitalista. Nos últimos trezentos anos, a reprodução, a distribuição e a manipulação da informação tornaram-se gradualmente mais fáceis através de um longo processo de mecanização. Uma prensa operada manualmente produzia cópias que eram relativamente caras, limitadas em números, e impossíveis de alterar sem fazer uma nova cópia. Após gerações de melhorias tecnológicas, a mesma quantidade de textos na Internet é facilmente circulada, copiada e remixada. Entretanto, os indivíduos precisam de dinheiro e tempo para acessar este sistema avançado de comunicação. Enquanto a maior parte da população mundial ainda vive na pobreza, os habitantes dos países industrializados reduziram as suas horas de trabalho e aumentaram a sua riqueza em dois séculos de crescimento econômico. Desde o advento do Fordismo, a produção em massa dependeu de os trabalhadores terem recursos suficientes e tempo disponível para o consumo em massa (Negri, 1988). Tendo uma renda disponível e tempo livre, muitos trabalhadores dentro das regiões metropolitanas estão agora aptos a trabalhar em seus próprios projetos (Gorz, 1989). Somente neste momento histórico particular, as condições técnicas e sociais foram suficientemente desenvolvidas para o surgimento do cibercomunismo.

"O capital, dessa forma, trabalha em direção à sua própria dissolução como forma de produção dominante." (Marx 1973, p. 700)



A Economia de Dádiva Acadêmica

A invenção da Internet foi a maior ironia da Guerra Fria. No auge da luta contra o comunismo stalinista, o exército americano inconscientemente financiou a criação do cibercomunismo. Confrontando-se com a ameaça do ataque nuclear às estruturas de comando e controle, o dinheiro de pesquisa era entregue a cientistas para experimentos com formas de comunicação mediadas por computador. Apesar de a Internet ter sido inicialmente desenvolvida para o exército, os seus inventores logo começaram a utilizá-la para seus próprios interesses. Decisivamente, os cientistas simplesmente assumiram que toda informação deveria ser distribuída livremente no seu novo sistema de comunicações. Diferente da maioria dos outros setores de produção, a economia da dádiva foi, há muito tempo, o primeiro método de socializar o trabalho dentro das universidades. Com fundos do Estado ou com doações, os cientistas não precisam dedicar o seu trabalho intelectual diretamente para mercadorias negociáveis. Ao invés disso, os resultados das pesquisas são divulgados através da apresentação de trabalhos em conferências e da elaboração de artigos para periódicos científicos. Por serem citados, os cientistas adquirem reconhecimento pessoal que aumenta as chances de sucesso de suas carreiras dentro do sistema universitário. Apesar da crescente comercialização, a divulgação de descobertas ainda é o método mais eficiente de solução de problemas comuns dentro de uma disciplina científica específica.

"A racionalidade dos serviços profissionais não é a mesma racionalidade do mercado... Nas profissões, e especialmente na ciência, a abdicação do controle moral romperiam o sistema. O produtor de serviços profissionais deve ser... responsável por seus produtos, e é adequado que ele não seja alienado deles." (Hanstrom 1982, p. 29)

Devido a esses pioneiros, a economia da dádiva tornou-se firmemente ligada às convenções sociais da Internet. Com o tempo, o círculo encantado de seus usuários cresceu lentamente dos cientistas, passando pelos amadores, e chegando ao público em geral. Cada novo membro não apenas precisa observar as regras técnicas do sistema, mas também aderir a certas convenções sociais. Sem mesmo pensar sobre isso, as pessoas continuamente circulam informações entre elas livremente. Apesar de a Internet ter se expandido muito além da universidade, seus usuários ainda preferem cooperar juntos sem a mediação direta do dinheiro.

Existem até razões egoístas para a adoção do cibercomunismo. Acrescentando a sua própria presença, cada usuário está contribuindo com alguma coisa para o conhecimento coletivo acessível àqueles que já estão on-line. Em troca deste presente, cada indivíduo obtém acesso potencial para todas as informações fornecidas na Internet pelos outros. Dentro de uma economia de mercado, compradores e vendedores tendem a trocar mercadorias de valores equivalentes. Apesar disso, dentro da economia da dádiva hi-tech, cada um recebe muito mais de seus parceiros usuários do que qualquer indivíduo jamais poderia doar (Gosh 1998, p. 10). Não é surpreendente que não exista um clamor popular pela imposição de uma troca igualitária no mercado na Internet. Até mesmo os neoliberais mais dogmáticos estão participando contentes do cibercomunismo.

Desde o começo, estas relações de produção de presentes foram embutidas na estrutura tecnológica da Internet. Apesar de as comunicações mediadas por computador terem sido financiadas pelos militares, os cientistas desenvolveram-nas para facilitar a distribuição e manipulação de seus próprios dados de pesquisa. Trabalhando em universidades, eles nunca conceberam essas informações como mercadorias. Ao contrário, esses acadêmicos estavam progredindo em suas carreiras por divulgar os resultados de seu trabalho. Criando um sistema de comunicações para o seu próprio uso, eles incorporaram esses métodos de trabalho às tecnologias da Internet (Geise 1996, p. 126 -132). Acima de tudo, as suas invenções dependem da reprodução da informação contínua e livre. Quando on-line, toda conexão envolve a cópia de material de um computador para o outro. Uma vez que a primeira cópia de uma informação está colocada na Internet, o custo de se fazer cada cópia extra torna-se praticamente zero. A arquitetura do sistema pressupõe que cópias múltiplas de documentos podem facilmente ser disponibilizadas pela rede. Apesar de a maioria dos usuários agora serem de fora da Academia, o projeto técnico da Internet ainda assume que toda informação é um presente.

"Em um espaço de informação, nós podemos considerar a autoria dos materiais e a sua percepção, mas... há a necessidade da infra-estrutura subjacente para que se possam fazer cópias simplesmente por razões de eficiência e confiabilidade. O conceito de direito autoral, como expresso em termos de cópias feitas, tem pouco sentido." (Berners-Lee, 1996, p. 11).



O Eclipse dos Direitos Autorais

Apesar de sua enorme popularidade, a economia da dádiva da Internet parece ser uma aberração. Hipnotizados pela ideologia californiana, quase todos os políticos, executivos e estudiosos estão convencidos de que as comunicações mediadas por computador podem apenas ser desenvolvidas através da competição mercadológica entre empresas privadas. Como outros produtos, a informação deve ser comprada e vendida como uma mercadoria. Esta crença nas forças de mercado vem da experiência histórica. Durante os três últimos séculos, a mediação da troca de mercadoria aumentou dramaticamente a produtividade do trabalho. Respondendo a mudanças nos preços, trabalhadores e recursos são distribuídos em direção a setores mais eficientes da economia. Competindo com firmas rivais, os empreendedores devem continuamente melhorar os métodos e meios de produção. Quando disciplinados pelo mercado, os interesses pessoais dos indivíduos podem ser canalizados para o crescimento da riqueza de uma nação inteira (Smith, 197; Ricardo, 1973).

Os pais da economia liberal descobriram o paradoxo central do capitalismo: a propriedade individual é a precondição do trabalho coletivo. Nas sociedades pré-modernas, o controle da aristocracia e do clero sobre as suas terras era circunscrito pelos direitos e deveres feudais. O trabalho dos camponeses era organizado através de costumes próprios encontrados em cada domínio. Em contraste, os pioneiros do capitalismo transformaram a terra em uma mercadoria comerciável: os cercados. Uma vez que os vínculos feudais foram removidos, o trabalho de diferentes tipos e em diversas localidades pôde ser regulado por um único mecanismo: o mercado (Marx 1976, p. 873-930). Nos últimos séculos, essa forma moderna de trabalho coletivo tornou-se onipresente, visto que as regras da competição mercadológica não apenas aumentaram a produtividade dentro dos comércios tradicionais, mas também encorajaram o desenvolvimento de novas indústrias. Dentro das regiões metropolitanas, as pessoas comuns estão agora utilizando bens e serviços que não eram disponíveis nem para reis e papas nos tempos anteriores. Entretanto, cada uma dessas maravilhas tecnológicas foi moldada pelas relações de produção peculiares do capitalismo. Tanto quanto satisfazer um desejo humano, cada novo produto deve também ser vendido como uma mercadoria. Dentro de uma economia de mercado, a limitação do trabalho coletivo é perpétua (Midnight Notes Collective 1990).

Sob o capitalismo, a maioria dos bens e serviços são produzidos como mercadorias. Se eles são objetos tangíveis ou ações temporárias, esta transformação social geralmente não é problemática. Entretanto, a mercantilização do trabalho intelectual sempre foi mais difícil. Enquanto ensinar e divertir são como outros serviços, as publicações são muito diferentes de outros bens. A maior parte do trabalho de criação de um produto de informação é gasta na elaboração da primeira cópia. Mesmo com as primeiras impressões, o custo de produção de cada cópia subseqüente é sempre muito mais baixo. Em um mercado aberto, os editores seriam encorajados a plagiar os trabalhos existentes ao invés de pagar pelo material novo. As primeiras nações capitalistas rapidamente descobriram uma solução pragmática para esse problema econômico: o direito autoral. Apesar de todo mundo poder comprar artefatos culturais, o direito de reproduzi-los foi limitado pela lei. Como qualquer outra forma de trabalho, o trabalho intelectual podia agora ser incluído entre as mercadorias (May 1998, p. 68-73).

"Milton produziu Paradise Lost como um bicho-da-seda produz seda, como uma ação de sua própria natureza. Mais tarde, ele vendeu o seu produto por £5 e então se tornou um mercador." (Marx 1976, p. 1044).

Ao final do século XX, o direito autoral continua a fornecer a estrutura para a produção de informação. Muitas formas de trabalho intelectual são vendidas como mercadorias: livros, música, filmes, jogos e softwares. Os editores de artefatos protegidos por direitos autorais tornaram-se grandes indústrias: as multinacionais de multimídia. Os acordos internacionais que protegem a propriedade intelectual são continuamente restritivos: Berna (7), OMC-TRIPS (8). Não é surpreendente que a maioria dos políticos, executivos e estudiosos afirmem que a Internet vai inevitavelmente ser comercializada. Como a transmissão pelo rádio e a televisão a cabo nos primórdios, o momento da economia da dádiva pode ser apenas temporário. Como em outras indústrias culturais, o trabalho intelectual no ciberespaço deve ser incluído entre as mercadorias de informação (May, 1998a; Frow, 1996; Porter, 1995).

Antecipando essa obsessão, alguns pioneiros tentaram incorporar a proteção por direitos autorais dentro das comunicações mediadas por computador. Por exemplo, o Projeto Xanadu de Ted Nelson continha um sofisticado sistema de rastreamento e pagamento para impor a propriedade intelectual. Usando esse programa, os indivíduos poderiam trabalhar juntos comercializando mercadorias de informação uns com os outros. No entanto, apesar de seu brilhantismo técnico, o plano Xanadu falhou por razões inteiramente sociais (Wolf, 1995). Ao invés de encorajar a participação, a proteção por direitos autorais provou ser um grande obstáculo para colaboração on-line, visto que quase todas as pessoas beneficiam-se mais da circulação de informação sem pagamento do que do comércio de mercadorias culturais. Cedendo seus próprios esforços pessoais, os usuários da Internet sempre recebem em troca os resultados de uma quantidade muito maior de trabalho de retorno. A escassez decorrente dos direitos autorais não pode competir contra a abundância dos presentes. Longe de intensificar a mercantilização, a Internet é a prova prática do velho slogan hacker: "a informação quer ser libertada" (Lang, 1998; Gosh, 1998).

No auge da modernidade, a troca de mercadorias agora exerce um papel secundário em relação à circulação de presentes. A clausura do trabalho intelectual é desafiada por um método mais eficiente de trabalho: a disponibilização. Dentro das universidades, os cientistas, há muito tempo, resolveram seus problemas dentro de suas especialidades reunindo as suas descobertas. Com o crescimento da Internet, mais e mais pessoas estão descobrindo os benefícios da economia da dádiva, visto que eles não têm apenas a oportunidade de contribuir com a sua própria informação, mas têm também acesso ao conhecimento de muitos outros. A cada dia, os usuários da Internet estão enviando e-mails, participando de listas de discussão, construindo websites, contribuindo para grupos de notícias e participando em conferências on-line. Não mais incluído entre as mercadoria, o trabalho intelectual está continuamente disponibilizado como um presente. O consumo passivo de produtos fixos de informação está se transformando em um processo fluido de "criatividade interativa" (Berners-Lee 1998, p. 5).

"A lógica da tecnologia digital leva-nos a uma nova direção. Os objetos, assim como as idéias, não são mais fixos, não são mais tangíveis. No ciberespaço, não há peso, não há dimensões; a estrutura é dinâmica e mutável; o tamanho é infinito e imaterial. Nesse espaço, histórias são escritas e se modificam a cada novo leitor; novo material pode ser adicionado, e o velho material pode ser apagado. Nada é permanente." (Kleiman 1996, p. 76)

Os tipos de "criatividade interativa" entre os usuários da Internet são muito variados. Enquanto alguns encontros on-line são apenas temporários, outros evoluem para duradouras colaborações. Apesar de muitos usuários apenas conversarem com amigos próximos e familiares, alguns estão criando relacionamentos que existem somente na Internet. Se a maioria das conversas on-line são frívolas, outros grupos estão se encontrando para discutir questões sérias. Fora de todos esses diferentes tipos de "criatividade interativa", os usuários da Internet desenvolveram a sua própria forma de organização social: a comunidade de rede (Rheingold, 1994; Hamman, 1999). Através da circulação de presentes entre eles, os indivíduos têm a capacidade de trabalharem juntos em projetos comuns, visto que, assim como se divertirem, os membros da comunidade virtual estão comprometidos com um processo contínuo de trabalho conjunto. Todos podem enviar presentes de textos, imagens, animações, músicas, jogos e outros softwares para seus colegas on-line. Em retribuição, eles receberão grandes quantidades de presentes virtuais de seus companheiros de comunidade. Contribuindo com o seu próprio trabalho, cada indivíduo potencialmente possui os esforços criativos de toda comunidade de rede (Gosh, 1998; Kollock, 1999).

O prazer de dar e receber presentes pode modificar radicalmente a experiência pessoal do trabalho coletivo. Dentro do mercado, os indivíduos primariamente colaboram através da troca impessoal de mercadorias. Os compradores e os vendedores devem permanecer despreocupados com o destino de um e de outro. Em contraste, a circulação de presentes encoraja a amizade entre os participantes. A construção de uma comunidade de rede bem sucedida é sempre um trabalho de amor. Trabalhar dentro do cibercomunismo pode ser não apenas mais produtivo, mas também mais prazeroso que o capitalismo digital. Segundo Howard Rheingold, esses benefícios sociais da economia da dádiva hi-tech não são restritos à Internet. Apesar de toda a sua riqueza, muitos americanos estão sofrendo do isolamento e alienação impostos pela competição mercadológica. Por sorte, alguns podem agora encontrar amizade e intimidade dentro das comunidades de rede. Uma vez que não há a necessidade de limitar o trabalho coletivo dentro do ciberespaço, os americanos podem compensar os estragos causados pela "perda do sentido de comunidade" de sua nação.

Os resultados da "criatividade interativa" dentro das comunidades de rede são geralmente triviais e mundanos. Ainda que, ao mesmo tempo, algumas colaborações on-line estejam criando produtos muito sofisticados. Entre as mais celebradas, estão as comunidades de rede trabalhando no software livre. Desde o princípio, os cientistas desenvolveram a essência dos programas da Internet como presentes. A expansão exponencial do sistema só foi possível pela ausência de barreiras de propriedade. Por exemplo, apesar de o Projeto Xanadu conter a maioria das capacidades técnicas da Internet, esse protótipo de comunicação mediada por computador não tinha o principal apelo da invenção de Tim Berners-Lee: a ausência de direitos autorais. Nem o programa, nem os seus produtos foram projetados para ser mercadorias (Berners-Lee, 1996).

Nos últimos anos, o rápido crescimento da Internet catalisou um renascimento exuberante da ética hacker. Cada vez mais frustrados com os produtos comerciais, os tecnófilos juntaram-se para escrever seus próprios softwares. Quando limitadas pelo direito autoral, as capacidades de um programa estão congeladas até que a próxima versão seja disponibilizada. Mesmo os seus defeitos não podem ser consertados. Em contraste, quando disponibilizado como um presente, esse mecanismo virtual pode ser continuamente modificado, corrigido e melhorado por qualquer um com as habilidades de programação apropriadas. O produto se torna um processo. Acima de tudo, cada membro da comunidade de rede que desenvolve um programa tem potencialmente acesso às habilidades de seus colegas. Se uma pessoa não pode resolver o problema de um software, outros dentro do grupo ajudarão a encontrar a solução (Leonard, 1998a). Participando em tal "criatividade interativa", os techies, que antes eram isolados, estão agora fazendo amigos por todo o mundo. Como em outras comunidades de rede, o trabalho coletivo no desenvolvimento do software livre pode ser não apenas mais produtivo, mas também mais prazeroso que o trabalho em projetos comerciais. Na medida que a convergência tecnológica se intensifica, esta economia da dádiva da Internet está agora invadindo cada vez mais a economia de mercado da computação (Porterfield, 1998). Partindo de um protótipo de Linus Torvalds, uma comunidade de rede de programadores está construindo o seu sistema operacional de domínio público: o Linux (Linux Online, 1999). Pela primeira vez, a Microsoft tem um sério concorrente para o Windows. Dentro de um monopólio capitalista, muitos tecnófilos americanos estão trabalhando muito para aperfeiçoar a sua alternativa pragmática: o cibercomunismo dos softwares.

"... você assume que os defeitos são geralmente problemas superficiais - ou, pelo menos, que eles se tornarão bastante superficiais quando expostos a milhares de desenvolvedores ansiosos avançando a cada novo lançamento." (Raymond, 1998a, p. 7)

A convergência de muitas tecnologias diferentes para os formatos digitais está também reforçando as economias da dádiva encontradas em outras áreas da produção cultural. Segundo as multinacionais de multimídia, a Internet vai logo precisar se adaptar aos métodos do mercado. Protegida por criptografia e senhas, a informação digital será comercializada como uma mercadoria. Entretanto, estes limitadores ambiciosos da Internet já estão se confrontando por uma desmercantilização parcial de suas próprias indústrias culturais. Por exemplo, a gravação caseira de músicas existiu por muitas décadas. O avanço contínuo da reprodução digital e a rápida expansão da Internet estão tornando essa pirataria de materiais protegidos por direitos autorais ainda mais fácil (Chesterman e Lipman 1988, p. 34-45; Leonard, 1998). Decisivamente, as formas mais inovadoras de música popular agora surgem da apropriação criativa da propriedade intelectual de outras pessoas: house, hip-hop, drum&bass. Ao invés de permanecerem congelados em uma única gravação, melodias e breaks podem ser repetidamente experimentados, misturados e remixados. Se alguém tem uma boa idéia, muitos outros músicos tentarão aprimorar o conceito. Como a Internet, a cultura DJ contemporânea também é "criatividade interativa" (Garrat, 1998; James, 1997).

Durante anos, a palavra mais popular a entrar nos mecanismos de pesquisa era bastante previsível: sexo. No entanto, em 1999, a palavra mais requisitada passou a ser o formato musical da Internet: "MP3" (Wice, 1999). Para a indústria comercial da música, o pequeno problema da gravação doméstica está ampliado em uma crise maior. Já que a cópia e distribuição agora são tão fáceis, muitas pessoas estão disponibilizando as suas gravações digitais não apenas para seus amigos, mas também para desconhecidos. Na medida que a música é integrada à Internet, a escassez de mercadorias está se transformando espontaneamente na abundância de presentes (Leonard, 1998). Tanto quanto facilita a pirataria de gravações existentes, a convergência tecnológica também aprofunda a "criatividade interativa" musical. Como muitas outras pessoas, os músicos estão trabalhando juntos, fazendo amigos e inspirando uns aos outros dentro das comunidades de rede. Divulgando o seu próprio material, eles podem oferecer a sua música como presentes para os usuários da Internet em todo o mundo. A partir dessas colaborações on-line, eles estão criando novas formas de expressões rítmicas: midi-jamming, música interativa, ciber-trance.

Na medida que outras tecnologias de mídia convergem para a Internet, todas as formas de produção cultural lentamente integram-se à economia da dádiva hi-tech. Até mesmo a produção de televisão e cinema logo será transformada pela possibilidade de "criatividade interativa". A despeito de seu poder e riqueza, as multinacionais de multimídia podem apenas inibir essa transformação econômica. Muito espontaneamente, os usuários da Internet estão adotando formas mais eficientes e prazerosas de trabalharem juntos. No alvorecer do novo milênio, muitos americanos estão agora experimentando os benefícios práticos do cibercomunismo:

mercadoriapresente
limitedisponibilidade
direito autoralpirataria
fixofluido
produtoprocesso
propriedadecódigo aberto
criptografia digitaldownload livre
gravação originalúltimo remix
escassezabundância
alienaçãoamizade
competição de mercadocomunidades de rede
e-commercecibercomunismo


O Mercado nas Propriedades Públicas

Comparados com o restante da humanidade, os habitantes dos EUA já são muito privilegiados. Apesar de benefícios sociais adequados ainda lhe serem negados, a maioria dos americanos não apenas consome mais bens e serviços, mas também goza de maiores liberdades democráticas que a maioria da população mundial. Nos últimos duzentos anos, a expansão contínua e a intensificação da troca de mercadorias aumentaram massivamente a produtividade do trabalho coletivo nos EUA. Regulados pelos governos federal e estadual, empreendedores rivais competiram para construir um sistema econômico cada vez mais complexo e interdependente. Segundo a maioria dos políticos, executivos e estudiosos americanos, o próximo estágio da mercantilização da sociedade está sendo desbravado no que há de mais moderno na tecnologia: a Internet. Como no passado, a limitação de novos tipos de trabalho coletivo inevitavelmente aumentará os padrões de vida e ampliará as liberdades pessoais nos EUA. Não há alternativa ao princípio de organização das relações de produção existentes: trabalho-como-mercadoria.

Ironicamente, a vingança de Saint-Simon está agora sendo imposta sobre os seus falsos discípulos americanos. Como na antiga União Soviética, o crescimento constante das forças de produção está ameaçando as relações de produção dominantes. Longe de ser a apoteose da troca de mercadorias, as estruturas social e técnica da comunicação mediada por computador incorporam uma forma alternativa de trabalho coletivo: a economia da dádiva. Se os indivíduos forem forçados a colaborar primeiramente através do e-commerce, as suas oportunidades de participar da "criatividade interativa" serão muito limitadas. O potencial completo das forças produtivas da Internet apenas pode ser realizados pela adoção das relações de produção mais avançadas: o cibercomunismo.

Em tais momentos históricos, os proponentes do modernismo reacionário entram em uma crise existencial. Apesar de suas profundas diferenças ideológicas, quase todos os intelectuais de direita têm a mesma meta: desenvolvimento sem progresso social. Algumas vezes por décadas, as elites dominantes podem combinar de forma bem sucedida estes objetivos contraditórios do modernismo reacionário. Entretanto, o crescimento constante das forças de produção vai finalmente minar as relações de produção existentes. Mais cedo ou mais tarde, os defensores do modernismo reacionário são obrigados a fazer uma escolha difícil: crescimento econômico ou estagnação social. Por exemplo, os seguidores do comunismo stalinista confrontaram-se com esse dilema no final dos anos 80. Querendo emparelhar-se aos seus vizinhos ocidentais, a maioria dos políticos, executivos e intelectuais do leste europeu aceitou a morte do estado totalitário que fornecia o seu sustento. Em contraste, o estado dominante sérvio decidiu escolher outra opção: a destruição das forças de produção. Temerosos de perderem a sua riqueza e o seu poder, eles iniciaram guerras e "limpezas étnicas" para bloquear qualquer progresso social e econômico futuros. Ao invés de mover-se em direção ao futuro utópico, o seu estado totalitário avançou em outra direção: "a fuga da modernidade" (Perovic, 1999).

Nos EUA, também existem grupos poderosos defendendo o antimodernismo reacionário: os religiosos fundamentalistas, os supremacistas brancos, e o lobby das armas. Como na Sérvia, algumas pessoas de influência estão desejando sacrificar o crescimento econômico para manter a ordem social existente. Entretanto, a maioria destes com poder e riqueza gostaria de evitar fazer essa escolha. Ao invés disso, eles querem reformular o modernismo reacionário para a era da Internet. Entre os políticos de direita americanos, o neoliberalismo hi-tech é, há tempo, a alternativa otimista ao conservadorismo tradicional. Longe de temer o futuro, os seus profetas prevêem confidencialmente que o progresso econômico irá finalmente libertar a humanidade. Incapazes de utilizarem a palavra liberdade por razões históricas peculiares, os neoliberais americanos até descrevem a si mesmos como "libertários": um apelido pego dos anarquistas revolucionários de esquerda.

Essa forma otimista de conservadorismo é facilmente adaptada pela análise direitista da Internet. Por exemplo, os proponentes da ideologia californiana ainda acreditam que a mudança tecnológica constante pode reconciliar-se com a preservação da hierarquia social (Barbrook e Cameron, 1996). Como os seus antepassados conservadores, estes gurus geralmente sustentam que os seus objetivos contraditórios serão realizados por meios místicos: mente de Gaia (9) , pós-humanos e memética. Mais importante, eles também defendem um método prático de perpetuação do modernismo reacionário: a hibridização da mercadoria e do presente.

Como os pioneiros do Oeste Selvagem, os ciberempreendedores estão aproveitando todas as oportunidades para limitar a fronteira eletrônica recentemente aberta. No ápice da convergência, os lucros das companhias comerciais agora dependem da rápida expansão da economia da dádiva hi-tech (Kelly, 1997). As máquinas e os softwares para o acesso à Internet podem ser vendidos como mercadorias por grandes companhias: IBM, Sun, Microsoft. A circulação de informação gratuita entre os usuários pode ser disponibilizada nos sites comerciais: AOL, Yahoo!, GeoCities. Ao invés de resistirem a todas as mudanças sociais, os digerati devem adotar alguns avanços sociais para colher os benefícios do progresso tecnológico. Os poucos felizardos descobriram uma nova forma de alcançar o sonho americano: o enclausuramento do trabalho cibercomunista dentro da propriedade digital capitalista (Leonard, 1999). Reconhecidamente, esta bizarra união de opostos sustenta a especulação frenética nas ações da Internet. Cada momento de "criatividade interativa" é uma fonte potencial de lucro. Se o híbrido correto de presentes e mercadorias pudesse ser encontrado, o trabalho coletivo imediatamente transformar-se-ia em riqueza individual. Estimulados pelas riquezas de alguns ciberempreendedores, muitos americanos estão especulando com base na mesma suposição sobre a Internet: "... o comunismo é... uma generalização e uma consumação da... propriedade privada" (Marx, 1961, p. 99).

Por aproximadamente trinta anos, os profetas do neoliberalismo hi-tech identificaram o crescimento econômico com a estagnação social. Em muitos setores, eles defenderam métodos antiquados de aumento de lucros: horas extras, redução de salários, aceleração de produção, corte de benefícios e aumento da poluição. Apesar disso, na Internet, estes gurus defendem a síntese da inovação tecnológica e progresso social, visto que a mercantilização do ciberespaço é impossível sem alguma adaptação à economia da dádiva. Até a crescente importância do e-commerce é facilitada pela estrutura não-comercial da Internet. O "custo de entrada" no mercado digital é muito baixo devido à ausência de barreiras de propriedade. Pequenas companhias agora têm acesso a comunicações mediadas por computador antes apenas disponíveis para agências do governo, instituições financeiras e corporações multinacionais. Eliminando o intermediário, muitos fornecedores de bens e serviços podem aumentar os seus lucros lidando diretamente com fornecedores e consumidores pela Internet. Estimulados por esse desenvolvimento, os proponentes da ideologia californiana acreditam que o mais livre de todos os mercados livres está agora acontecendo nas "propriedades públicas" do ciberespaço (Kelly, 1994; Hudson, 1996; Dyson, 1997).



A pureza do presente

Em oposição a esta invasão pelos interesses comerciais, alguns ativistas de esquerda estão revivendo uma visão purista do presente.A limitação da Internet pode ser impedido pela recusa de qualquer compromisso com a mercadoria (Critical Art Ensemble, 1996). Esta posição revolucionária tem inspiração do radicalismo hippie dos anos 60. Há mais de trinta anos, muitos jovens rebelaram-se contra os sistemas econômicos tanto dos EUA quanto da União Soviética. Os benefícios materiais da modernidade não compensavam mais o autoritarismo político e a conformidade cultural impostos pelo industrialismo. Desiludidos com o futuro hi-tech, esses hippies buscaram inspiração no passado tribal. Enquanto muitos eram simplesmente turistas daquele estilo de vida, outros estavam procurando por uma alternativa revolucionária à modernidade. Decisivamente, alguns intelectuais de esquerda acreditavam que esta utopia poderia ser encontrada na economia da dádiva das tribos da Polinésia: o potlatch (10) (Mauss, 1990).

Para os hippies radicais, esta economia da dádiva era a antítese completa do capitalismo. Ao invés de acumular excedentes, os indivíduos dessas sociedades primitivas ganhavam prestígio ao dar as suas riquezas em celebrações públicas. Se a competição mercadológica exigia a alienação do trabalho para a produção sempre maior de bens e serviços, o potlatch envolvia a destruição prazerosa do excesso de recursos. Enquanto a mercadoria moderna impôs a hierarquia e o utilitarismo, o presente primitivo encorajou a igualdade e o hedonismo. Ao rejeitar o trabalho-como-mercadoria, os hippies esquerdistas proclamaram um novo princípio de organização para a sua sociedade utópica: a destruição-como-presente (Situationist Internacional, 1981; Baudrillard, 1975; Negri, 1979).

Muitos anos depois, esse antimodernismo revolucionário ainda influencia as análises de esquerda sobre as comunicações mediadas por computador. Apesar de emergir no auge da tecnologia, esta economia da dádiva da Internet pode facilmente ser confundida com o potlatch das sociedades primitivas. Estas atitudes tribais também são encontradas na dance music, partidos livres, movimentos de protesto e outras formas de "cultura faça-você-mesmo" (Brass, Koziell e Searle, 1997; McKay, 1998). Imitando seus antepassados hippies, os ativistas de esquerda da Internet enfatizam a autonomia desses relacionamentos de presentes em relação à corrupção da troca de mercadorias. Rejeitando qualquer hibridização, eles defendem a destruição da propriedade privada através da pirataria de materiais com direitos autorais: a destruição-como-presente. Ao invés de ser comprada e vendida, a informação vai tornar-se livremente acessível para qualquer um que participe do potlatch on-line.

Infelizmente, esse ressurgimento do antimodernismo revolucionário também tem implicações reacionárias. Como nos primórdios, os intelectuais de esquerda estão tentados a enxergarem-se como uma vanguarda liderando as massas não esclarecidas. Provenientes da camada intermediária, eles defendem a "recusa ao trabalho" para simbolizar a sua superioridade sobre o resto da classe trabalhadora. Apesar de destituídos da União Soviética, alguns membros da minoria revolucionária ainda farão apologia a ditaduras estrangeiras que resistem à hegemonia americana. Apesar do advento das novas tecnologias de informação, velhos hábitos políticos são difíceis de serem descartados. A retórica revolucionária do comunismo hippie é assombrada pela prática reacionária do comunismo stalinista (Barbrook, 1998).



O caminho americano para o comunismo

Dentro dos EUA, essa visão esquerdista do puro presente permanece marginalizada. Desde a independência, uma crença fervorosa na empresa privada definiu o "excepcionalismo" americano. Durante a Guerra Fria, nenhum patriota poderia defender a ideologia revolucionária do inimigo nacional. Até hoje, muitas pessoas resistem virulentamente à provisão pública de benefícios considerados indispensáveis em outros países desenvolvidos (Lipet, 1996). Apesar disso, estes mesmos americanos de direita estão participando contentes na construção do cibercomunismo. Muito espontaneamente, eles adotam os métodos de trabalho que são mais benéficos aos seus próprios interesses. Algumas vezes, eles desejam engajar-se no e-commerce. Em outras, eles preferem colaborar dentro da economia da dádiva hi-tech. Como todo mundo, os americanos conservadores escolhem o cibercomunismo por razões pragmáticas.

Apesar de seu vício pela panacéia do mercado livre, os americanos, há muito tempo, preferem soluções práticas à correção ideológica. Céticos quanto às obsessões teóricas dos Europeus, eles sempre tiveram orgulho de seu "pragmatismo yankee" (de Tocqueville, 1975, p. 3-20). Reformulando as suas tradições para a Internet, a maioria dos americanos simplesmente ignora a larga discrepância entre as suas crenças políticas e as suas atividades cotidianas. Apesar de forçados a falar como neoliberais, eles geralmente preferem agir como comunistas dentro do ciberespaço, visto que a aplicação literal da ideologia californiana removeria imediatamente muitos dos benefícios da Internet. Não é surpreendente que poucos americanos irão admitir abertamente o seu prazer de pecar contra o mito nacional. Enquanto a demanda reformista por um sistema de saúde público permanece obviamente esquerdista, as implicações subversivas da circulação da informação como presentes são literalmente impensáveis. Sem nenhum conflito pessoal interno, Eric Raymond pode ser simultaneamente um defensor apaixonado da desmercantilização do software e "... descrever-se como um libertário neopagão (direitista) que se diverte atirando com armas semi-automáticas..." (Leonard, 1998a, p. 2).

Entre os americanos, o cibercomunismo é o amor que não ousa pronunciar seu nome. Ninguém fala sobre o que todos estão fazendo. Acima de tudo, o significado histórico do seu comportamento coletivo na Internet nunca pode ser discutido. Na vida cotidiana, as pessoas sempre deram presentes umas para as outras. Muitas atividades sociais já são organizadas pelo trabalho voluntário e com recursos de doações. A cultura faça-você-mesmo é a celebração desta mentalidade em todos os aspectos da vida, da política à música (Hyde, 1999; Brass, Koziel e Searle, 1997). Agora, com o advento da Internet, esta economia da dádiva está desafiando a competição de mercado no ápice da modernidade, visto que apenas estas novas relações de produção podem realizar plenamente os potenciais social e técnico de seu avanço das forças produtivas. Quando os presentes digitais circulam livremente, as pessoas podem participar dentro da "criatividade interativa". Na medida que a informação é reproduzida incessantemente, a quantidade de trabalho coletivo incorporada em cada cópia é logo reduzida a quase nada. Sob estas condições sociais e técnicas, a circulação de informação como presentes pode ser não apenas mais prazeroso, mas também mais eficiente do que a troca de mercadorias. Apesar de apreciar os benefícios do e-commerce, os americanos estão participando entusiasticamente de uma forma alternativa de trabalho coletivo: o cibercomunismo.

Nos primórdios, a abolição do capitalismo era encarada em termos apocalípticos: insurreições revolucionárias, mobilizações de massa e ditaduras modernizadoras. Em contraste, o cibercomunismo é agora experiência cotidiana imperceptível nos EUA. Os usuários da Internet estão espontaneamente adotando meios mais prazerosos e eficientes de trabalharem juntos. Ao invés de destruírem a economia de mercado, os americanos estão engajados no lento processo de superar o capitalismo (Hegel, 1873, p. 141-142; Marx, 1961, p. 98-114). Neste movimento dialético, os neoliberais hi-tech aperfeiçoam as relações de produção existentes desenvolvendo o e-commerce: o trabalho-como-mercadoria. Reagindo contra essa delimitação do ciberespaço, os ativistas de esquerda destroem a propriedade de informação no potlatch on-line: destruição-como-presente. Para aqueles nostálgicos pela certeza ideológica, não pode haver conciliação entre essas visões contraditórias da Internet.

Apesar disso, a síntese desses opostos dialéticos deve acontecer por razões pragmáticas. Geralmente os usuários da Internet beneficiam-se mais trabalhando juntos através dessa circulação de presentes do que participando no e-commerce. Vivendo dentro de uma sociedade próspera, muitos americanos não são mais apenas motivados por recompensas financeiras. Com dinheiro e tempo suficientes, eles também trabalharão para ganhar o respeito de seus companheiros pelos seus esforços. Um número cada vez maior de pessoas está agora satisfazendo esse desejo de reconhecimento dentro das comunidades de rede. Os indivíduos recebem elogios e amizade de seus companheiros-membros ao fazer excelentes contribuições para projetos coletivos. Na Internet, o crescimento das forças produtivas encoraja uma forma mais avançada de trabalho coletivo: trabalho-como-presente (Kohn, 1998; Leonard, 1998a).

"... O trabalho nasce do Desejo de Reconhecimento... e se preserva e evolui em relação com o mesmo Desejo." (Kojève, 1969, p. 230)

O processo dialético de superação do capitalismo está marcado pela síntese evolutiva do presente e da mercadoria dentro da Internet. Durante essa transição, nem a disponibilização nem a delimitação do trabalho coletivo podem ser afirmados. Se o híbrido correto não for encontrado, indivíduos que trabalham em projetos coletivos podem desaparecer rapidamente para situações mais convenientes dentro do ciberespaço. Algumas vezes, eles irão procurar por recompensas financeiras. Em muitas ocasiões, eles irão preferir a liberdade do trabalho autônomo. Dependendo das circunstâncias, estes dois desejos precisam ser satisfeitos em um híbrido bem sucedido de presente e mercadoria.

Durante os últimos duzentos anos, a ligação íntima de parentesco e amizade simultaneamente inibiram e sustentaram as relações impessoais necessárias ao rápido crescimento econômico. O moderno sempre co-existiu com o tradicional. Agora, na idade da Internet, a troca de mercadorias é ao mesmo tempo intensificada e impedida pela circulação de presentes. O moderno deve ser sintetizado com o hiper-moderno.

Os gurus da ideologia californiana enfatizam a sobrevivência da hierarquia social dentro dessas relações produtivas híbridas da Internet. Ciberempreendedores bem sucedidos já começam as suas carreiras cedendo os seus produtos mais desejáveis. Se a sua marca é amplamente adotada, eles esperam enriquecer oferecendo serviços e produtos de suporte aos usuários. Alguns poucos digerati felizardos podem tornar-se muito ricos vendendo ações aos especuladores de Wall Street (Cusumano e Yoffie, 1998; Leonard, 1999). Apesar disso, mesmo nessa síntese conservadora de presente e mercadoria, o direito autoral deixou de ser a pré-condição para a produção de informação. Cada consumidor agora é ganho com itens promocionais. Incapazes de resistir às possibilidades técnicas da convergência digital, alguns ideólogos neoliberais aceitam o desaparecimento final do direito autoral (Barlow, 1994). Já que o plágio vai logo se tornar onipresente, os ciberempreendedores devem adotar outras formas de mercantilizar a Internet: serviços em tempo real, propaganda, merchandising. A aristocracia hi-tech apenas pode proteger os seus privilégios fazendo presentes para as massas.

Essa hibridização das relações de produção é predominante entre as indústrias hi-tech. Por exemplo, muitas pessoas ganham um emprego apenas depois de fazer um aprendizado dentro de comunidades de rede. Se o seu trabalho é respeitado entre os companheiros, eles podem entrar para a camada intermediária emergente empregada pelo e-commerce: os artesãos digitais. Apesar de operar fora da Academia, a doação de informação ainda facilita a venda de trabalho. De acordo com as profecias de Saint-Simon, trabalhadores inovadores em indústrias avançadas deveriam estar desbravando as condições culturais e econômicas para a emancipação social. A camada intermediária é a vanguarda da modernidade. Fiéis a este papel, os artesãos digitais estão fazendo muitos avanços tecnológicos e estéticos. Apesar de precisarem vender a sua criatividade por dinheiro, os seus meios de trabalho são geralmente igualitários e colaborativos. Mais uma vez, a camada intermediária está inventando o futuro.

Ainda, até mesmo essa síntese já está sendo superada no ápice da modernidade. A minoria heróica não está mais sozinha. Depois de duzentos anos de crescimento econômico, as pessoas comuns também estão aptas a adotar relações de produção avançadas. Dentro da Internet, o trabalho em conjunto pela circulação de informações é agora uma experiência diária para milhões de pessoas. Assim como em seus trabalhos, os indivíduos também colaboram em projetos coletivos no seu tempo livre. Libertado das regras imediatas do mercado, o trabalho pode cada vez mais se tornar um presente. Os poucos esclarecidos não são mais necessários para liderar as massas em direção ao futuro, visto que a maioria dos usuários da Internet já está participando das relações de produção do cibercomunismo. Todos os dias, eles estão enviando e-mails, participando em listas de discussão, construindo websites, contribuindo em grupos de notícias e participando de conferências on-line. Sem precisar vender as informações como mercadorias, eles trabalham juntos espontaneamente pela circulação de presentes. Por todo o mundo, políticos, executivos e estudiosos são inspirados pela rápida expansão do e-commerce nos EUA. Hipnotizados pela ideologia neoliberal, eles falham em perceber que a maioria das informações já está circulando como presentes dentro da Internet. Engajados na superação do capitalismo, os americanos estão construindo de forma bem sucedida o futuro utópico no presente: o cibercomunismo.

"Nenhuma ordem social jamais é destruída antes que todas as forças de produção para as quais ela é suficiente tenham sido desenvolvidas, e novas relações de produção superiores nunca substituem as antigas antes que as condições materiais para a sua existência tenham amadurecido dentro da estrutura da sociedade antiga. ... O modo de produção burguês é a última forma antagônica do processo social de produção - ... um antagonismo que surge das condições sociais de existência dos indivíduos - mas as forças produtivas em desenvolvimento dentro da sociedade burguesa também criam as condições materiais para uma solução deste antagonismo. A pré-história da humanidade conseqüentemente aceita essa formação social." (Marx 1970: 21-22)



A Dialética do Cibercomunismo:

A afirmação: trabalho-como-mercadoria
e-commerce
modernismo reacionário
A negação: destruição-como-presente
potlatch
antimodernismo revolucionário
A negação da negação: trabalho-como-presente
comunidades de rede
modernismo revolucionário



Tradução: Barbara Nickel




NOTAS DE TRADUÇÃO:

1. Digerati: os literatos digitais. Segundo a revista eletrônica Edge, eles são os "construtores, pensadores e escritores que tiveram uma tremenda influência sobre a revolução emergente das comunicações. Eles não estão na fronteira, eles são a fronteira". Fazem parte do grupo pessoas como Louis Rosseto (editor da Wired) e Bill Gates (fundador e dono da Microsoft) (Edge, 2001).
2. Corrida pelas tulipas holandesas: por volta de 1633, as tulipas, que antes eram cultivadas apenas por profissionais especializados, tiveram uma alta valorização, chegando a custar centenas de dólares cada unidade. Muitas famílias de classe média e baixa investiram todas suas economias neste mercado. A estrutura da comercialização de tulipas entrou em colapso em 1637, levando à falência e arruinando economicamente grande parte da população da Holanda (Enciclopedya Britannica, 2001).
3. Lysenkoismo: teoria defendida na União Soviética inicialmente pelo agricultor Trofim Denisovich Lysenko, baseada em Lamark para explicar a evolução das espécies, rejeitando completamente as teorias genéticas já descobertas por Mendel. O lamarkismo atribuía a evolução à vontade e aptidão para sobrevivência, antes de Darwin (Dicionário do Cético, 2001)
4. Memética: teoria apresentada em 1976 por Richard Dawkins, no livro The Selfish Gene. Ela pressupõe uma seleção natural para blocos de idéias chamados memes (em analogia a genes), sendo esta a forma como idéias transmitiriam-se através de gerações como vírus nas mentes parasitas. No artigo Viruses of the Mind, Dawkins explica como as novas tecnologias servem de suporte para que os memes, através dos virus de computadores, se reproduzam: "Os computadores são tão bons em copiar bytes, e tão bons em devotamente obedecer às instruções contidas naquels bytes, que eles estão sitting ducks para programas auto-replicantes: amplamente abertos à subversão por softwares parasitas". (Dawkins, 1995)
5. Pós-humanos: seres que, em uma escala evolutiva, estariam além dos trans-humanos, os quais estão além dos humanos. A idéia surgiu em 1992, quando Max Moore e Tom Morrow fundaram o Instituto Extropiano. O objetivo é transcender as limitações físicas e mentais do corpo através da tecnologia. Estender o perído de vida, tornar-se mais inteligente, não sofrer com as doenças são algumas das características almejadas. "Alguns pós-humanos podem achar vantajoso livrar-se de seus corpos e viver como padrões de informação em amplas e super-rápidas redes de computadores" (Bostrom, 1999)
6. Stakhonivismo: método de aumentar o rendimento produtivo inspirado no mineiro russo Aleksei Grigorievitch Stakhonov, que obteve altos resultados nas minas de carvão graças a sua técnica. Procura o máximo aproveitamento da jornada de trabalho (Grande Enciclopédia Larousse Cultural, 1999)
7. Berna: a Convenção de Berna, realizada em 1886, determinou as leis de proteção à propriedade intelectual das "obras dramáticas e artísticas" vigentes até hoje. A última revisão aconteceu na Conferência de Paris, em 1971.
8. OMC-TRIPS: Aspectos das Relações Comerciais de Propriedades de Direitos Autorais (trade-related aspects of intellectual property rights) estabelecidos pela Organização Mundial do Comércio. (World Trade Organization, 2001)
9. Mente de Gaia: teoria do bioquímico James Lovelock segundo a qual a Terra é um ser vivo e todos nós (humanos, animais, plantas e minerais) somos organismos interdependentes. A Mente de Gaia seria a inteligência deste ser. Como a Internet é uma rede mundial, é importante na formação desta grande consciência porque conecta muitas regiões facilitanto a transmissão de informações entre os organismos (Pedrosa, 1998)
10. Potlatch: festas realizadas em tribos do noroeste americano, Polinésia e Melanésia em que o chefe da tribo deve distribuir ou destruir toda riqueza acumulada. (Mauss, 2001, p. 56)



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAKUNIN, M. Letter to Sergei Nechaev, 2 jun, 1870. In : LEHRING, A. (ed.), Michael Bakunin: Selected Writings. London: Jonathan Cape, 1973. p. 182-194.
BARBROOK, R. Media Freedom: the contradictions of communications in the age of modernity. London, Pluto, 1995. Disponível em: ma.hrc.wmin.ac.uk/ma.theory.4.1.db.
BARBROOK, R. ; CAMERON, A. The Californian Ideology. Science as Culture, v. 6, n. 26, p. 44-72, 1996. Disponível em : ma.hrc.wmin.ac.uk/ma.theory.4.2.db.
BARBROOK, R. The Holy Fools: a critique of the avant-garde in the age of the Net. Mute, n. 11, p. 57-65, 1998. Disponível em: ma.hrc.wmin.ac.uk/ma.theory.4.9.db
BARLOW, J.P. The Economy of Ideas: a framework for rethinking patents and copyrights in the digital age (everything you know about digital property is wrong). Wired, v. 2, n. 3, p. 84-90, 126-129, mar. 1994. Disponível em: www.eff.org/pub/intellectual_property
BAUDRILLARD, J. The Mirror of Production. St. Louis: Telos,1975.
BELLAMY, E. Looking Backward. London: Penguin, 1982.
BELL, D. The Coming of Post-Industrial Society: a venture in social forecasting. New York: Basic Books, 1973.
BERNERS-LEE, T. The World Wide Web: Past, Present and Future. 1996. Disponível em: www.w3.org/People/Berners-Lee/1996/ppf.html
BERNERS-LEE, T. Realising the Full Potential of the Web. 1998. Disponível em: www.w3.org/1998/02/Potential.html
BRASS, E.; KOZIELL, S.; SEARLE, D. (ed.) Gathering Force: DIY culture - radical action for those tired of waiting. London: Big Issue, 1997
BRINTON, C. The Jacobins: An Essay in the New History. New York; Russell and Russell.1961.
BUKHARIN, N. Economics of the Transformation Period (with Lenin’s critical notes). London: Pluto,1971.
BURNHAM, J. The Managerial Revolution. London: Penguin,1945.
CHESTERMAN, J. ; LIPMAN, A. The Electronic Pirates: DIY crime of the century. London: Comedia/Routledge,1998.
CILIGA, A. The Russian Enigma. London: Ink Links, 1979.
CRITICAL Art Ensemble, Electronic Civil Disobedience and Other Unpopular Ideas. New York: Autonomedia,1996.
CUSUMANO, M.; YOFFIE, D. Competing on Internet Time: lessons from Netscape and its battle against Microsoft. New York: Free Press,1998.
DJILAS, M. The New Class: an analysis of the Communist system. London, Unwin Books,1966.
DYSON, E. Release 2.0: a design for living in the digital age. London: Viking,1997.
ELGER, T Valorisation and “Deskilling”: a critique of Braverman. Capital & Class, n. 7, p. 58-99, primavera,1979.
ELLIOTT, L. Rise and Rise of the Super-Rich. The Guardian, G2 section, p. 2-3, 14 jul,1999.
ENGELS, F. Socialism: Utopian and Scientific. Beijing :Foreign Languages, 1975.
FROW, J. Information as Gift and Commodity. New Left Review, n. 219, p. 89-108, set./out.,1996.
FUKUYAMA, F. The End of History and the Last Man. London: Penguin,1992.
GARRATT, S. Adventures in Wonderland: a decade of club culture. London: Headline,1998.
GEISE, M . From ARPAnet to the Internet: a cultural clash and its implications in framing the debate on the information superhighway. In: STRATE, L.; JACOBSON, R.; GIBSON, S. (Eds.) Communications and Cyberspace: social interaction in an electronic environment. New Jersey: Hampton Press, 1996. p. 123-141
GHOSH, R Cooking Pot Markets: an economic model for the trade in free goods and services on the Internet. First Monday, 1998. Disponível em: dxm.org/tcok/cookingpot/.
GORZ, A. Critique of Economic Reason. London: Verso, 1989.
GREENWALD, J. Heroes of a Wild and Crazy Stock Ride. Time, 3 ago , p. 46-47, 1998.
HAGSTROM, W. Gift Giving as an Organisational Principle in Science. In: BARNES, B. ; EDGE, D. (Eds.). Science in Context: readings in the sociology of science. Milton Keynes: The Open University, 1982. p. 21-34.
HALL, S. ; JACQUES, M. (Eds.) New Times: the changing face of politics in the 1990.. London: Lawrence & Wishart,.1989.
HAMMAN, R. Computer Networks Linking Network Communities: effects of AOL use upon pre-existing communities In: ARMITAGE, J; ROBERTS, J. (Eds.). Exploring Cyber-Society: social, political and cultural issues. conference papers, 5-7 jul, 1999. v. 1.
HEGEL, G. Logic. Oxford: Oxford University Press, 1873.
HERF, J. Reactionary Modernism: technology, culture and politics in Weimar and in the Third Reich. Cambridge: Cambridge University Press,1984.
HUDSON, D. There’s No Government Like No Government (interview with Louis Rossetto). San Francisco Bay Guardian, 6 nov, 1996. p. 30-34.
HYDE, L. The Gift: imagination and the erotic life of property. London: Vintage,1996.
ISRAEL, J. (Ed.) Building the Organisational Society: Essays on Associational Activities in Modern America. New York: Free Press,.1972.
JAMES, M. State of Bass: Jungle - the story so far. London: Boxtree, 1997.
KADLEC, D. Internet Mania. Time, 18 jan 1999. Personal Time, Your Money. Disponível em: cgi.pathfinder.com/time/magazine/articles.
KATZ, J. The Digital Citizen. Wired, v. 5, n..12, p. 68-82, 274-275. dez, 1997.
KELLY, K. Out of Control: the new biology of machines. London: Fourth Estate,1994.
KELLY, K. New Rules for the New Economy: twelve dependable principles for thriving in a turbulent world. Wired, v. 5, n.9, p.140-144, 186-197, set.1997.
KLEINMAN, N. Don’t Fence Me In: Copyright, Property and Technology’ in STRATE, L.: JACOBSON, R.; GIBSON, S. (Eds.), Communications and Cyberspace: social interaction in an electronic environment. New Jersey: Hampton Press, 1966. p.59-82.
KOLLOCK, P. The Economics of Online Cooperation: gifts and public goods in cyberspace In: SMITH, M.; Kollock, P. (Eds.). Communities in Cyberspace, London: Routledge, 1999. p. 220-239.
KOHN, A. Studies Find Reward Often No Motivator. Free Software Foundation, 1998. Disponível em: www.fsf.org/philosophy/motivation.html.
KOJVE, A. Introduction to the Reading of Hegel: Lectures on the ‘Phenomenology of Spirit’, Ithaca NY: Cornell University Press,1969.
KROKER, A. ; WEINSTEIN, M. Data Trash: the theory of the virtual class, Montreal: New World Perspectives, 1994.
LANG, B. Free Software For All: freeware and the issue of intellectual property’, Le Monde Diplomatique, jan. 1998 . Disponível em: www.monde-diplomatique.fr/md/en/1998/01/12freesoft.html.
LEONARD, A. Mutiny on the Net. Salon, 1998. Disponível em: www.salonmagazine.com/21st/feature/1998/03/cov_20feature.html.
LEONARD, A. Let My Software Go!. Salon, 1998 a. Disponível em: www.salonmagazine.com/21st/feature/1998/04/cov_14feature.html.
LEONARD, A. The Really New Economy: Red Hat’s IPO. Salon, 1999. Disponível em: www.salonmagazine.com/tech/log/1999/06/09/red.hat/index.html.
LENIN, V.I. Will the Bolsheviks Maintain Power? London: Martin Lawrence, 1932.
LENIN, V.I. What Is To Be Done?: burning questions of our movement. Beijing: Foreign Languages Press,1975.
LENIN, V.I. The Proletarian Revolution and the Renegade Kautsky. Beijing: Foreign Languages Press, 1975 a.
LINUX Online F.A.Q., 1999. Disponível em: www.linux.org.
LIPSET, S.M. American Exceptionalism: a double-edged sword. New York: W.W. Norton,1996.
MARX, K. Capital: a critique of political economy, volume 3, the process of capitalist production as a whole. London: Lawrence & Wishart, 1959.
MARX<, K. Economic and Philosophical Manuscripts of 1844. Moscow: Foreign Languages Publishing House,1961.
MARX, K. A Contribution to the Critique of Political Economy. Moscow: Progress Publishers, 1970.
MARX, K. Grundrisse. London: Penguin, 1973.
MARX, K. Capital: a critique of political economy, volume 1, the process of the production of capital. London: Penguin, 1976.
MAUSS, M. The Gift: the form and reason for exchange in archaic societies. London: Routledge,1990.
MAY, C. Thinking, Buying, Selling: Intellectual Property Rights in Political Economy. New Political Economy, v. 3, n. 1, p. 59-78,1998.
MAY, C. Capital, Knowledge and Ownership: the “information society” and intellectual property. Information, Communication & Society, v. 3, n. 1, p. 246-249, 1998a.
MCKAY, G. (Ed.) DiY Culture: party & protest in 1990s Britain. London: Verso,1998.
MCLUHAN, M. Understanding Media: the extensions of man. London: Routledge & Kegan Paul., 1964.
MIDNIGHT Notes Collective Introduction to the New Enclosures. Midnight Notes, n.10, p. 1-9, outono 1990.
NEGRI, T. Capitalist Domination and Working Class Sabotage In: Red Notes, Working Class Autonomy and the Crisis: Italian Marxist Texts of the Theory and Practice of a Class Movement 1964-79, London: Red Notes/CSE Books, 1979.
NEGRI, T. Revolution Retrieved: selected writings on Marx, Keynes, capitalist crisis & new social subjects 1967-83. London: Red Notes, 1988.
NIETZSCHE, F. Thus Spoke Zarathustra, London: Penguin, 1961.
ORTEGA Y GASSET, J The Revolt of the Masses. London: George Allen & Unwin, 1932.
PEROVIC, L. The Flight from Modernity. Bosnia Report, 28 maio 1999. Disponível em: www.bosnia.org.uk/bosrep/archive.htm.
PORTER, V. Wanted: a new international law to protect intellectual property rights on the GII. Intermedia, v. 23. n. 4, p. 31-36, set/out.1995.
PORTERFIELD, K. Information Wants to be Valuable: a report from the first O’Reilly Perl conference, 1998. Disponível em: www.netaction.org/articles/freesoft.html.
RAYMOND, E. Homesteading the Noosphere. 1998. Disponível em: sagan.earthspace.net/~esr/writings/homesteading/homesteading.txt.
RAYMOND, E. The Cathedral and the Bazaar, 1998a. Disponível em: sagan.earthspace.net/~esr/writings/cathedral-bazaar.
RHEINGOLD, H. The Virtual Community: finding connection in a computerised world. London: Secker & Warburg, 1994.
RICARDO, D. The Principles of Political Economy and Taxation. London: Dent, 1973.
ROSSETTO, L. 19th Century Nostrums Are Not Solutions to 21st Century Problems: a trans-atlantic jet streamer on European ideology and political eternal returns. Mute, n. 4, p. 17, inverno/primavera, 1996
ROSTOW, W.W. Politics and the Stages of Growth. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.
SAINT-SIMON, H. de ; HALVY, L. The Artist, the Scientist and the Industrial: Dialogue In: TAYLOR, K. (Ed.) Henri Saint-Simon 1760-1825: Selected Writings on Science, Industry and Social Organisation. London: Croom Helm, 1975. p. 279-288.
SCHILLER, H The Global Information Highway. In: BROOK, J.; BOAL, I. (Eds.), Resisting the Virtual Life: the culture and politics of information. San Francisco: City Lights, 1995. p. 17-33.
DE SOLA POOL, I. Technologies of Freedom: on free speech in the electronic age. Cambridge Mass: Belknap Press,1983.
SITUATIONIST International The Beginning of An Era. In: KNABB, K. (Ed.) Situationist International Anthology. Berkeley CA: Bureau of Public Secrets, 1981.
STALIN, J. The Results of the First Five-Year Plan: report delivered to the joint plenum of the Central Committee and Central Control Commission of the C.P.S.U. (B), January 7, 1933’ In: PROBLEMS of Leninism, Moscow: Foreign Languages Publishing House, 1954. p. 489-542.
DE TOCQUEVILLE, A. Democracy in America. New York: Vintage, 1975. v.2.
TOFFLER, A. The Third Wave. London: Pan, 1980.
WELLS, H.G. A Modern Utopia. Leipzig: Bernard Tauchnitz,1913.
WICE, N. Sony Tries to Put MP3 Genie Back in Bottle. Time Digital, 1999. Disponível em: cgi.pathfinder.com/time/digital/daily/0,2822,24585,00.html.
WINSTON, B. Media, Technology and Society. London: Routledge, 1998.
WOLF, G. The Curse of Xanadu. Wired UK, jun. 1995, p. 70-85, 112-113.
ZIZEK, S. The Spectre is Still Roaming Around: an introduction to the 150th anniversary edition of the Communist Manifesto. Zagreb: Arkzin, 1998.




Volta à página inicial